loading

O futuro dos empilhadores é completamente elétrico?

Main Image

Entrevista com Russell Baker, gestor da Hyster Europe no Reino Unido e na Irlanda.

Enquanto a marca Hyster® comemora o seu 90º aniversário e a Hyster Europe estabelece mais de 20 anos na produção de empilhadores elétricos em Craigavon, Reino Unido, Russell Baker discute de que forma o uso de empilhadores movidos a bateria está a mudar.

P: Quando é que os empilhadores a bateria se tornaram um foco para a Hyster Europe?
R: A introdução dos empilhadores elétricos Hyster® XN e XNT em 2008 cimentou a Hyster como fornecedora de classe mundial de empilhadores de baixo consumo de energia, com requisitos de manutenção reduzidos, custos operacionais minimizados e emissões zero. A nossa fábrica em Craigavon, começou a fabricar empilhadores movidos a bateria em 2008 e é a fonte europeia de todos os empilhadores elétricos contrapesados Hyster® de 1,3 a 3,5 toneladas. Hoje, milhares de tipos diferentes de empilhadores são fabricados todos os anos nesta fábrica, com uma grande percentagem deles a ser exportada através dos distribuidores Hyster® para clientes na Europa, Rússia, África e Médio Oriente. A Hyster Europe oferece agora uma variada gama de empilhadores elétricos, potentes, robustos e de alta capacidade, até pequenos empilhadores elétricos de três rodas que beneficiam de uma eficiência energética ideal.

P: Os empilhadores elétricos são a melhor opção nos dias de hoje, mesmo em aplicações externas?
R: A escolha do cliente deve depender de qual será o uso dos empilhadores. A escolha certa pode afetar significativamente o desempenho e o custo geral de uma operação e, em alguns casos, um empilhador diesel/gás ainda pode ser o mais adequado. No entanto, estamos a assistir a algumas empresas a transitar para equipamentos elétricos, pois nas circunstâncias certas podem oferecer maior eficiência, principalmente em termos de energia da bateria e baixo custo de propriedade associado, incluindo custos de manutenção. Os empilhadores elétricos também são populares entre as operações que procuram ser ecológicas, pois produzem zero emissões. No passado, teria sido mais comum ver empilhadores elétricos no interior, em tarefas “ligeiras”. No entanto, agora é comum ver os empilhadores elétricos da série Hyster® J a trabalhar ao ar livre, realizando as mesmas tarefas exigentes dos empilhadores diesel/gás, com capacidades de até 5,5 toneladas. Podem mesmo ser vistos em indústrias difíceis, como fundições, centros de reciclagem e aplicações de materiais de construção.

P: Portanto, quando é que um empilhador elétrico é a escolha certa?
R: Depende de muitos fatores e trabalhamos em estreita colaboração com os nossos revendedores e clientes finais para encontrar a melhor solução para diferentes necessidades de aplicações. No entanto, em geral, empilhadores elétricos com baterias de chumbo-ácido ainda são frequentemente considerados a melhor opção para muitas operações de logística interna. Por exemplo, aplicações de logística muito intensivas sairão beneficiadas pois a eficiência e desempenho comparáveis às alternativas de diesel/gás e um custo de propriedade potencialmente mais baixo, podem ser feitas economias com apenas um empilhador. Podem ser operações com vários turnos, para que as baterias dos empilhadores possam ser trocadas facilmente entre os turnos sem custos regulares. Oferecemos várias opções de troca de baterias para tornar esse processo rápido e simples. No entanto, estas aplicações precisam de espaço para uma sala de carregamento e, para evitar o tempo de inatividade, devem existir processos rigorosos para garantir que as baterias sejam carregadas para manter as operações em funcionamento. Também precisam de um cronograma semanal de manutenção e equalização.

P: E as baterias de iões de lítio?
R: O ião de lítio está a tornar-se uma opção de energia popular para empilhadores elétricos Hyster®. É uma escolha cada vez mais comum na indústria alimentar, por exemplo, onde as operações são principalmente em ambientes fechados e há uma prioridade para reduzir a contaminação. O ião de lítio não possui ácido que pode derramar nem fumos - o chumbo-ácido pode produzir hidrogénio e outros gases, que não são bem-vindos em áreas limpas de produção e armazenamento de alimentos. As baterias de iões de lítio não precisam dos altos níveis de manutenção exigidos pelos seus parceiros de chumbo-ácido e permitem o carregamento durante os intervalos planeados e na hora do almoço. Essa abordagem de recarga pode simplificar as operações, pois só precisa de uma bateria e não de duas. Além disso, ao longo dos anos, o ião de lítio pode ficar mais económico com a aplicação correta, com custos totais de bateria mais baixos. No entanto, há considerações de infraestrutura no que diz respeito ao carregamento, portanto o ião de lítio não será a melhor escolha para todos os casos.

P: O que é que o futuro reserva para os empilhadores elétricos Hyster?
R: Os empilhadores elétricos de menor capacidade continuam a ser uma parte essencial da nossa oferta de produtos. No entanto, existem mudanças interessantes no extremo de maior capacidade do mercado, onde a Hyster é pioneira na tecnologia em máquinas de dimensão muito elevada. Atualmente, temos projetos em andamento para o porto de Los Angeles nos EUA e no porto de Valência em Espanha, onde desenvolvemos manipuladores de contentores elétricos Hyster® e um ReachStacker. Essas máquinas de emissão zero incorporam eletricidade em alta tensão como a principal fonte de energia para alimentar motores totalmente elétricos. Os testes mostraram que as máquinas em desenvolvimento oferecem desempenho comparável aos modelos equivalentes Hyster® diesel/gás e fornecem excelente eficiência energética e um baixo custo de propriedade quando atendem aos requisitos de aplicação corretos. Os empilhadores em desenvolvimento também apresentam sistemas patenteados de recuperação de energia Hyster®, que recuperam e armazenam energia com a redução de cargas e travões, o que ajuda a aumentar o tempo de atividade por períodos mais longos entre as cargas, além de ajudar a reduzir os custos gerais de energia.